Mauricio Gehlen

Mauricio Gehlen

O industrial Maurício Gehlen é o fundador e presidente do Instituto que leva o seu nome. Junto com sua esposa Márcia e seus filhos Tatiane e Pedro Henrique (co-instituidores), que abriram mão de uma eventual herança (os bens serão transferidos ao Instituto), Maurício vem garantindo a manutenção do Centro Dia do Idoso e praticamente a totalidade da construção do Centro de Convivência, que será inaugurado em abril de 2018. As doações que recebeu foram destinadas à obra que está em execução.

Maurício Gehlen é gaúcho de Sarandi, onde nasceu em 18 de abril de 1961. Filho do meio de Alzeno e Noêmia, herdou do pai a organização e o espírito de liderança, e da mãe a generosidade e a determinação.

Aos 14 anos, deixou a cidade natal para estudar Química Industrial em Novo Hamburgo, também no Rio Grande do Sul, assim como a amiga Márcia, que depois se tornaria sua esposa.

Com formação técnica, Gehlen foi convidado e aceitou diversos convites de emprego, em busca de ascensão profissional. Casou-se e de emprego em emprego chegou até o Estado do Espírito Santo, onde um assalto à mão armada, quando ficou refém de bandidos junto com a esposa e filha, o levou a rever seu planejamento de vida.

Veio para o Paraná, passando primeiro pelo município de Marechal Cândido Rondon e depois se instalando, definitivamente, em Paranavaí, no Noroeste do Estado.

No começo tudo foi difícil, os filhos ainda pequenos, o rendimento não era tão alto, Márcia ainda não trabalhava. Mas isto não impedia que, aos finais de semana, o casal percorresse construções, especialmente obras de reforma, em busca de janelas, portas e outros produtos usados, que poderiam servir para a construção de uma “casinha” a uma família carente.

Os amigos dedicados ao trabalho comunitário aumentaram, assim como a liderança de Gehlen na cidade. Foi presidente de Associação de Pais e Mestres da escola dos filhos, fundador e presidente do Centro de Atendimento à Criança e ao Adolescente de Paranavaí (Cecap), presidente do Conselho Comunitário de Apoio à Santa Casa, diretor da Santa Casa, presidente da Associação Comercial e Empresarial de Paranavaí (Aciap), Associação do Distrito Industrial de Paranavaí, presidente do Observatório Social de Paranavaí e várias outras entidades. Participou também de clubes de serviço.

Na área empresarial, sua liderança atravessou fronteiras e foi vice-presidente (de responsabilidade social) da Federação das Associações Comerciais e Industriais do Paraná (Faciap), coordenador regional da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), e coordenador da Coordenadoria das Associações Comerciais e Industriais do Noroeste do Paraná (Cacinpar).

Em 2013, já com sua independência financeira consolidada, percorreu os 819 quilômetros dos Caminhos de Compostela. Fez o percurso chamado Caminho Francês. Saiu de Saint-Jean-Pied-de-Port, ou simplesmente Saint Jean, na França, entrou na Espanha por Roncesvalles, aos pés dos Montes Pirineus, e de lá seguiu rumo à famosa Catedral.

Ao final do percurso, decidiu levar adiante um antigo sonho: criar uma instituição que pudesse contribuir com seu semelhante.

Anos antes, ele já havia viajado ao Japão e ficou impressionado como o país trata seus idosos, valorizando-os e respeitando-os. Percebeu que no Brasil havia políticas públicas de proteção e promoção da infância e da mulher, por exemplo, mas quase nada em relação ao idoso. Decidiu que sua ação social teria a terceira idade como prioridade.

Voltou ao Japão para aprofundar seu conhecimento na área da convivência e da socialização dos japoneses idosos. Decidiu pela construção do Centro de Convivência dos Idosos, onde pessoas das terceira idade poderiam ter um espaço para participar de oficinas, atividades físicas, de lazer, cultural, e, sobretudo, ter qualidade de vida e ter relacionamento com pessoas de sua idade, com quem poderia compartilhar suas experiências e viver em comunidade, devolvendo-lhes o sentimento do qual mais sentem falta: a de ser útil.

O Centro de Convivência está sendo construído numa área de 27 mil metros quadrados.

Mas, numa demonstração de sua preocupação com a terceira idade e de seu espírito magnânimo, ao tomar conhecimento de que o Centro Dia do Idoso (uma espécie de creche para idosos) seria fechado em Paranavaí, por falta de financiamento público, Maurício Gehlen fez uma parceria com o Asilo Lins de Vasconcelos, assumiu uma casa que estava abandonada, a reformou e instalou os dez idosos do Centro que foi fechado. Lá eles recebem atenção, conforto e desenvolvem atividades diversas. Os atendidos têm o Centro como extensão de suas casas e, segundo seus depoimentos, saíram de suas depressões graças a convivência.

As atividades de Maurício Gehlen o levaram a receber o título de Cidadão Honorário de Paranavaí, a maior homenagem que o município pode oferecer. Além disso, recebeu moções de aplauso da Câmara Municipal por razões diversas, e outras homenagens como da Associação Comercial, Cecap e várias outras entidades.